Top 10 * Restaurantes em Lisboa

17 de julho de 2018

Já cheguei em Lisboa com uma lista de restaurantes caprichada!

Peguei dica com todos os meus amigos que vivem lá, assisti vlogs e li um tanto de resvistas/guias com indicações. Aquilo tudo que eu faço sempre que viajo para um lugar novo. E com Lisboa não foi diferente.

Prontos pro meu tour gastronômico?

Lá vai:

Foi meu favorito. Assim, não tem nada de tradicional. É um complexo com bar, loja de livros, de roupas, Laduree e o restaurante. É contemporâneo, sofisticado. Mas zero Português. Fui pro almoço e provei um pouquinho de tudo. Amei muito.

Queria ter voltado pra jantar, diz que a noite vira meio que club, tem um DJ que fica no meio dos banheiros (mostrei no vlog! Só dar play no final do post!) e que é cheio de gente linda no bar do andar de baixo. Mas como era pouco dia pra muito restaurante, não deu pra repetir.

Ah, comi o MELHOR pure de batata trufado da minha vida!

Eu a-d-o-r-e-i a experiência! Digo experiência porque o Beco vai além, tem toda uma brincadeira por trás. Assim, o José Avillez (da foto acima!) é o maior e mais famoso chef de Portugal. Tem estrela Michelin e coleciona restaurantes por Lisboa. Um deles é o Beco, que fica dentro do Bairro do Avillez, que falaremos depois.

O Beco Cabare do Avillez é um speak easy, até têm umas plaquinhas indicando quando você entra no Bairro até chegar no responsável pela lista. São mesas contadas e menu fechado. Você reserva e paga antes. Já deixa avisado se tem alguma restrição alimentar e divirta-se.

A comida é especial. O que tem de firula (entrada dentro de uma pétala de rosa, sobremesa no colar de pérolas e assim vai!) tem de gostoso. Prometo que você vai comer muito bem e se divertir com o show de cabaré deles. De novo: é uma experiência.

O 100 maneiras foi muito bem indicado também. Tava na lista de quase todos os meus amigos. E pelo que me falaram, tem o único chef que briga de igual pra igual com o Avillez por lá. Eu que não tenho nenhum repertório de chefs portugueses, acreditei no que me disseram e fui! 🙂 E adorei.

O ambiente é uma delícia, também é cheio de gente legal e comida maravilhosa! Adorei!

Não dá pra ir a Portugal e não ir ouvir fado, né? E Lisboa tá lotada de restaurantes para isso. Na maioria das vezes você vai pela música mesmo, não pela comida. Inclusive dá pra você chegar depois do jantar, ir só pra ver o show. Eu quis fazer a experiência completa.

Tinham várias indicações mas fficamos com o Mesa de Frades que veio de um amigo lisboeta que me disse que é o mais tradicional. Inclusive conforme vai ficando mais tarde, outros cantores de fado vão chegando no restaurante e turma da cantoria aumenta. Diz que é meio que ponto de encontro dos cantores mais tradicionais lá.

Eu curti a experiência também. A comida achei beeeeeem mais ou menos, foi um preço fechado também então nem tinha muito como fugir. Vinho e cerveja a vontade. E o show foi bem lindo!

Que delícia de restaurante! Primeiro porque ele fica na frente do Adamastor e como boa apreciadora de vista que sou já matei logo dois coelhos deu uma vez só. E depois que além da comida ser deliciosa o lugar é muito legal. Fica dentro de uma antiga farmácia, os drinks têm nome de remédios e a decoração toda é como se você estivesse de fato dentro de uma farmácia. Vale muito o passeio. E a comida.

No dia que você for no LXFactory (de preferência domingo que é o dia da feirinha e dos vintages!) vá almoçar ou tomar um drink no por do sol no Rio Maravilha. Eu cheguei e tava fechado, fecha entre almoço e jantar, e não consegui comer. Mas tava cheio de gente legal e tomei um drink na parte de fora, tem uma vista bem gostosinha. No por do sol deve ser beeeem lindo.

Coisa mais liiiiiiinda esse restaurante! Vale só pra andar por ele (mas assim, pede pra subir as escadas e veja todos os ambientes!) que é tipo um palácio mesmo. A comida achei ok. A turma que curte poke diz que é maravilhoso, especialidade deles. Eu arrisquei uma massa e não fui feliz. O cardápio tem um milhão de opções, são tipo 5-6 cozinhas diferentes. Talvez eu que tenha dado azar.

Mas valeu e muito pelo lugar. E pelos drinks. Bem maravilhosos! 😉

Voltei com o chef português bombado. Diz que o restaurante mais incrível dele é o Belcanto. Incrível AND caro. Número 1 dos dele. Não fui. Ficou pra minha próxima. Eu só comi mesmo no Beco, que também não podemos dizer que é barato. Você paga 100 euros por pessoa, no menu fechado com bebidas a parte. Como o Beco fica dentro do Bairro do Avillez, aproveitei pra andar por lá quando fui e fuçar os cantos.

É bem lindo também, bem tradicionalzão, cheio de azulejos lindos, decoração divertida e tals e cheio de coisas pra você experimentar: tem uma mercearia vendendo iguarias, presentes e livros e um tanto de restaurantes espalhados. Cada um com sua especialidade. Um num meio de um páteo, bem gostoso. Deu muita vontade de voltar lá pra almoçar. Mas também não deu tempo.

 

O Bica do Sapato é bem reconhecido e tradicional, cozinha portuguesa moderna. Tem uma vista maravilhosa pra água e você vai ver bastante gente bonita. Eu tenho a impressão de que ele deveria ser o que o JNCQUOI é hoje, sabe? E que se manteve. Mas hoje o JNCQUOI tá mais festa, mais gente jovem e solteira e o Bica mais casal, mais romance. Não sei, minha impressão. Apesar de que não jantei em nenhum dos dois, fui só pro almoço!

Outro super conhecido de comida portuguesa. Beeeeem tradicional. Onde os jogadores de futebol tão sempre pra almoçar, tipo o Porcão no Rio, sabe? E a comida bem gostosa!

Ufa. Foi.

Ah, calma, bônus! Por último mas não menos importante:

Assim, eu sei que você vai comer no Pastel de Belém porque tem que comer o Pastel de Belém tradicional em Belém. Eu sei. Eu também fui. Mas POR FAVOR: não deixe de provar o da Manteigaria. Passo mal só de lembrar. Apenas vá!

Pronto. Agora foi de verdade! 🙂

E se você quiser saber mais do que fiz em Lisboa e ver as imagens desses restaurantes por dentro só dar play no vlog que eu fiz durante minha semana lá e se jogar.

Cheguei em São Paulo já cheia de vontade de voltar.

Obrigada, Lisboa.

Valeu (MUITO) cada caloria!

  • Facebook
  • Compartilhe

Curta - Julia Faria

Curta

Comentários


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/juliafaria/www/wp-includes/functions.php on line 3734

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/juliafaria/www/wp-includes/functions.php on line 3734